Previsão da temporada 2017-18: Chicago Bulls

Uma das franquias mais tradicionais da NBA hoje chama atenção pelo fraco basquete apresentado no último ano, e atualmente pela troca sem sentido de seu principal jogador, Jimmy Butler, por três balas sete belo e a perda de Dwayne Wade. Wade chegou temporada passada para reforçar o elenco e já assinou o buyout para procurar um lugar onde poça ser vencedor.

O Chicago Bulls é mundialmente conhecido graças a Michael Jordan e a dinastia que construíram nos anos 90, foram seis títulos em sete temporadas em todos com Jordan como protagonista. As duas trilogias conquistadas coroaram Phil Jackson como treinador, um dos melhores da história e Jordan como G.O.A.T, o maior atleta já visto. Mas de lá pra cá uma nuvem negra pousou sobre a Cidade dos Ventos.

Desempenho na temporada 2016-17 (41-41)

A equipe teve uma temporada que mais parecia uma montanha-russa, sem conseguir emplacar uma grande série de vitórias e perdendo alguns jogos para equipes inferiores, o Bulls foi o retrato do fracasso. A chegada de Wade deu um gás na equipe, todos acreditavam nisso, mas o que vimos foi uma equipe desorganizada e sem postura defensiva, perdida em quadra e facilmente dominada.

Outro ponto alto foi a escolha de Denzel Valentine, o atleta com o melhor QI de basquete da sua classe, que chegava com esperanças de ter minutos e ajudar a franquia. Infelizmente nunca passou de planos. Valentine foi pouco usado, a franquia trouxe Rondo para ajudar, mas nada adiantou.

Hoiberg não é um técnico que funciona com o Bulls, seu estilo de jogo não se encaixou com a franquia e isso se refletiu nas quadras, os resultados não vieram e a classificação foi na bacia das almas.

Durante a temporada foram 1831 bolas de três arremessadas e 623 convertidas, um aproveitamento de 34%. Arremessaram 7141 bolas e converteu apenas 3169, menos de 50% de aproveitamento, mostrando uma das dificuldades de equipe. Classificou para os Playoffs na oitava colocação e começou a pós-temporada dando pinta de classificação, vencendo as duas primeiras da série contra o Boston Celtics, mas tomando a vitória por 4-2.

Elenco

Armadores: Cameron Payne, Jerian Grant, Justin Holiday, Zach Lavine

Alas-armadores: Denzel Valentine, Quincy Pondexter, Bronson Koenig, David Nwamba,

Alas: Jaylen Johnson, Jarell Eddie, Nikola Mirotic

Ala-pivô: Bob Portis, Lauri Markkanen, Paul Zisper

Pivô: Cristiano Felício, Diamond Stone, Robin Lopez

Técnico:  Fred Hoiberg

Jogador chave

É difícil de apontar um jogador que pode ser a chave da vitória ou do sucesso da equipe, na minha opinião quem tem mais chances de fazer a diferença é Denzel Valentine pelo potencial que conhecemos.

Mas para isso precisa de minutos de quadra, com 17 minutos não se consegue produzir nada, por isso de suas médias de 5.6 pontos, 2.1 rebotes e 1.1 assistências. A chave do Bulls são os jovens, Valentine, Lavine, Dunn, têm que conseguir explorar o talento e potencial desses atletas.

Análise

Com tantas mudanças repentinas, sem ter um jogador de grande porte na equipe e contando com muitos jovens talentos que não explodiram na liga, ao Bulls resta nada mais que tankar e tentar uma escolha boa no Draft de 2018. Esse elenco não aparenta e nem possuí forças suficientes para lutar por grandes resultados, provavelmente será uma das piores franquias dessa temporada e vai passar longe dos Playoffs.

Podemos apresentar dois cenários para o Bulls. Na melhor das hipóteses, com a saída dos grandes nomes, Butler, Wade e Rondo, os novatos têm agora a chance de jogar mais e explodir seu potencial, e espera-se muito da 7° escolha desse ano, Lauri Markkanen. Logicamente que os fãs querem que os jovens despontem na liga e tenham uma temporada boa a ótima. Porém, o melhor cenário seria se posicionar bem para o próximo Draft.

No pior cenário o Bulls poderia acabar vencendo partidas demais e ficando de fora da corrida por uma escolha do Draft. Todos estão de olho em Michael Porter, Marvin Bagley e DeAndre Ayton, as prováveis primeiras escolhas da próxima classe.

Infelizmente o tank está aí, resta acompanhar a temporada e torcer pela primeira escolha e tornar esse rebuild um processo bem sucedido. Para essa temporada acredito que a equipe deva ter uma temporada de 20 vitórias e 62 derrotas.

Que os jogos comecem!

%d blogueiros gostam disto: