Previsão da Temporada 2017-18: Boston Celtics

Dando prosseguimento à série de previsões para a temporada, a franquia da vez é o Boston Celtics, a equipe comandada pelo treinador Brad Stevens que parece cada vez mais próxima do fim do rebuild, a fim de se tornar um contender em 2017-2018.

A franquia é localizada em Boston, Massachusets, joga pela conferência Leste e tem como gerente geral da equipe o ex-atleta Danny Ainge, joga no ginásio TD Garden.

O Boston Celtics é o maior vencedor da liga com 17 títulos conquistados, além de ser a franquia que conta com mais números retirados e o maior número de jogadores eternizados no Hall da Fama do Basquete. Foi fundada em 6 de Junho de 1946 (data de fundação da NBA) por Walter Brown, então proprietário da franquia de Hockey, Boston Bruins que joga pela NHL, era bem comum que na época os proprietários das franquias de Hockey fundassem franquias de Basquete para manter suas arenas cheias e lucrativas durante todo o ano.

Desempenho na Temporada 2016-17 (53-29)

A equipe do Boston Celtics teve desempenho superior ao esperado, liderados por Isaiah Thomas, que teve uma temporada espetacular e foi o líder em pontuação da conferência, com média de 28.9 pontos, os jogadores levaram a franquia aos playoffs como a equipe a ser batida na conferência, classificado em primeiro, o Celtics fez ótima pós temporada e caiu apenas nas finais do Leste, eliminado pelo Cavaliers em 5 jogos.

Isaiah Thomas fez uma temporada digna de um MVP, ficou inclusive em 5º na corrida pelo prêmio de jogador mais valioso da liga na temporada. Brad Stevens fez valer sua fama de maximizador de talentos e conseguiu extrair o melhor de Thomas, a equipe jogava em torno dele, no ataque facilitavam ao máximo o seu jogo e na defesa se sacrificavam para “esconder” o jogador, que por questões físicas, sem trocadilhos, não era um grande defensor.

Al Horford com sua técnica e Q.I. apurados, sendo um dos melhores pivôs com essas características, revolucionou o ataque celta, com seu bom aproveitamento em arremessos para 3 pontos abriu novas possibilidades para o ataque.

Avery Bradley apesar de ter perdido um grande número de jogos, 1/3 da temporada regular basicamente, foi muito importante em momentos decisivos e defensivamente, um dos melhores defensores de perímetro da liga conseguiu anular adversários importantes em jogos mais difíceis, além de se mostrar um jogador clutch com alguns game-winners durante a temporada e playoffs, contra o Cavs principalmente.

Jae Crowder se mostrou um jogador muito versátil, um jogador como se usa hoje em dia, “3D”, um atleta que defende muito bem e tem um bom aproveitamento na linha de 3. O ponto negativo fica para o seu temperamento e polêmicas fora das quadras, um jogador que se mostrou por vezes insatisfeito com a torcida em alguns episódios.

Outros jogadores também tiveram sua importância, como Marcus Smart, Jaylen Brown, Terry Rozier, Jonas Jerebko, Amir Johnson, Kelly Olynyk, e outros nem tanto.

Elenco

O elenco celta sofreu drástica reformulação e apenas 4 jogadores são remanescentes do grupo de 2016-17, a offseason foi agitada para o torcedor e nunca na história estivemos tão ansiosos para o começo da temporada, isso se deve às adições principalmente dos All-Stars Gordon Hayward, Kyrie Irving e da jovem promessa Jayson Tatum.

Tudo começou quando Danny Ainge anunciou a troca de Avery Bradley por Marcus Morris, troca que foi questionada pelo torcedor mas que teve fundamento, Bradley tem contrato expirante e provavelmente  a franquia não poderia arcar com sua renovação, já que até aquela altura o Celtics tinha planos de assinar com Gordon Hayward na F.A. pelo contrato máximo e tinha que arcar com a situação do contrato também expirante de Thomas.

Após uma novela que parecia sem fim, Gordon Hayward decidiu levar os seus trabalhos para Massachusetts. Depois de muita espera e uma difícil decisão, permanecer em Salt Lake City, se mudar para Miami ou se mudar para Boston, o jogador anunciou seu futuro em uma carta para o site The Players’s Tribune, espaço utilizado por atletas de diferentes esportes para se comunicarem com os fãs. Thomas havia inclusive participado do recrutamento do jogador, que parecia ansioso para jogar ao lado do baixinho.

Por outro lado, eis que ocorre uma reviravolta e Irving declara seu desejo de sair de Cleveland, ou melhor dizendo, sair das asas de Lebron James, o que ninguém esperava é que seu destino fosse justamente o  principal rival de conferência na atualidade, o Boston Celtics. Um dia tranquilo e de repente surgem as bombas dos principais insiders americanos da imprensa, Danny Ainge e Koby Altman estariam próximos de um acordo que envolveria justamente Isaiah Thomas e Kyrie Irving, após oficializada pelas duas franquias, a negociação ainda se arrastou por alguns dias, já que os exames de Isaiah não saíram como o planejado. Por fim foram enviados Isaiah Thomas, Jae Crowder, Ante Zizic e duas picks, uma do Nets de primeiro round, e outra do Heat, de segunda rodada.

Até então o elenco do Celtics parece definido e apto a figurar entre os finalistas da NBA em breve, o time titular teve uma melhora absurda com a adição de dois jogadores de alto nível além da adição de algumas peças pontuais, carentes na temporada passada, como Marcus Morris e o big man Aron Baynes. Além disso, a equipe conta agora com jogadores versáteis que podem tranquilamente ocupar 2 ou 3 posições diferentes, o que agrada e muito ao treinador Brad Stevens, que se mostrou um profissional estudioso, um dos principais da liga atualmente e que tem tudo para evoluir mais e mais.

O ponto-fraco dessa equipe é o banco, que ainda é uma incógnita já que conta com número excessivo de jogadores jovens e inexperientes, mas com grande potencial. Só o tempo dirá. De qualquer modo é possível confiar no trabalho de Brad Stevens e esperar o melhor desses jogadores.

Quinteto Inicial: Kyrie Irving / Marcus Smart ou Jaylen Brown / Gordon Hayward / Marcus Morris / Al Horford

Guards:

#11 Kyrie Irving, #36 Marcus Smart, #12 Terry Rozier, #8 Shane Larkin, #45 Kadeem Allen

Forwards:

#20 Gordon Hayward, #7 Jaylen Brown, #13 Marcus Morris, #0 Jayson Tatum, #28 Abdel Nader, #37 Semi Ojeleye

Big Mens:

#42 Al Horford, #46 Aron Baynes, #27 Daniel Theis, #38 Guerschon Yabusele

Saíram: Isaiah Thomas, Avery Bradley, Jae Crowder, Kelly Olynyk, Amir Johnson, Jonas Jerebko, Gerald Green, Tyler Zeller, James Young e Demetrius Jackson

Chegaram: Gordon Hayward, Kyrie Irving, Marcus Morris, Jayson Tatum, Aron Baynes, Daniel Theis, Shane Larkin, Kadeem Allen, Guerschon Yabusele e Semi Ojeleye

Permaneceram: Marcus Smart, Al Horford, Terry Rozier e Jaylen Brown

Jogador Chave

Esse cargo provavelmente fica para Kyrie Irving, o jogador que declarou o desejo de sair de Cleveland e buscar uma nova equipe para comandar, deve encontrar em Boston o que tanto procura. Apesar de dividir certo protagonismo com Hayward, não seria grande surpresa se ele fosse mesmo o Franchise Player da franquia, seu jogo é realmente muito parecido com o jogo de Thomas, os dois tiveram médias similares na temporada passada e alguns fatores nos fazem acreditar que ele será mais importante até do que Thomas foi. Kyrie é um jogador mais alto, que não sofre tanto com o fato de ser um “missmatch” ambulante como é Thomas, e suas médias foram tão boas quanto as do baixinho, mesmo sendo a segunda opção em Cleveland. Por outro lado Isaiah era a primeira opção em Boston e o time jogava em torno dele.

Na minha opinião, a receita do sucesso é simples, Kyrie deve jogar da mesma forma que Isaiah jogava na equipe de Brad Stevens, conduzir menos a bola e se concentrar mais em sua principal característica que é a finalização, é possível que isso aconteça, com um grande diferencial, a defesa não irá se sacrificar tanto para cobrir Irving como era com Thomas, o que deve ajudar e muito na evolução de outros jogadores.

Danny Ainge achou em Kyrie um atalho para o fim da reconstrução, é um jogador mais novo, com 25 anos e que ainda não alcançou o seu auge, deve acontecer em Boston, a troca abriu uma perspectiva enorme para o futuro da franquia, que aumentou e muito o tempo de duração da equipe e que abre a possibilidade de se aproveitar de uma brecha que Warriors e Cavs devem abrir em um futuro próximo.

Não seria nenhuma surpresa se Kyrie brigasse pelo prêmio de MVP em suas temporadas jogadas pelo Celtics.

Análise

Segundo analistas da ESPN o Celtics é visto como principal equipe na conferência Leste, e lidera as previsões da conferência no leste, além de ter sido classificado em quarto no ranking de BPI (Basketball Power Index), índice que leva em consideração a eficiência jogo a jogo, dificuldade no cronograma, mandos de quadra durante a temporada e expectativas na pré-temporada. Ficou atrás apenas de Warriors, Rockets e Spurs, sendo então o melhor classificado no Leste. A equipe é também a líder em apostas para o Leste em Las Vegas.

Apesar de parecer o contrário, a equipe do Celtics ainda se encontra em rebuild, cada vez mais próximo do fim, mas que não pode ser descartado, isso porque o Cavaliers parece ter ainda o domínio da conferência e se movimentou na offseason com esse pensamento, eu vejo essa temporada como a temporada do tudo ou nada para o Cavs, já que o time é bem experiente, e tem uma folha salarial já bem extrapolada com alguns contratos expirantes e renovações caras em vista, Lebron James e Isaiah Thomas por exemplo.

Certo é que as expectativas para a temporada são enormes, o Celtics tem hoje uma equipe competitiva e que pode sim alcançar as finais da NBA, algo ainda difícil mas não impossível.

Brad Stevens deverá ter trabalho para fazer encaixes e manter o time o mais entrosado possível, isso porque apenas quatro jogadores provenientes da temporada passada permanecem no elenco, porém quanto a isso podemos ficar otimistas já que o treinador se mostrou um profundo conhecedor do esporte e tem um “dom” especial para maximizar os talentos dos atletas que tem em mãos.

Eu encaro essas mudanças com bastante otimismo, não apenas para essa temporada, mas para um futuro, a equipe terá a oportunidade de evoluir seus jogadores jovens por igual e criar uma base de uma equipe campeã futuramente.

Apesar das adversidades, o Celtics já é considerado por muitos um contender, ironia é que a franquia já é um contender ainda em reconstrução, parece engraçado, mas tudo isso é fruto de um excelente trabalho feito por Danny Ainge e sua competente equipe de direção.

Temos um Big 4 em Boston: Kyrie Irving, Gordon Hayward, Al Horford e porque não, Brad Stevens!

Previsão para a temporada: 1º na Conferência Leste, 60 vitórias e 22 derrotas.

 

%d blogueiros gostam disto: