Previsão da Temporada 2017-18: Atlanta Hawks

Os Atlanta Hawks são uma equipe com sede em Atlanta, na Geórgia. Os Hawks competem na Divisão Sudeste da Conferência Leste da NBA. A equipe joga seus jogos em casa na Philips Arena.

As origens da equipe podem ser atribuídas ao estabelecimento dos Bisons Buffalo em 1946 em Buffalo, Nova York, membro da National Basketball League (NBL) de Ben Kerner e Leo Ferris. Depois de 38 dias em Buffalo, a equipe mudou-se para Moline, Illinois, onde foram renomeados como Tri-Cities Blackhawks. Em 1949, eles se juntaram à NBA como parte da fusão entre a NBL e a Basketball Association of America (BAA), e brevemente teve o Red Auerbach como treinador. Em 1951, Kerner mudou a equipe para Milwaukee, onde mudaram seu nome para os Hawks. Kerner e a equipe mudaram-se novamente em 1955 para St. Louis, onde ganharam o seu único campeonato da NBA em 1958 e se qualificaram para jogar nas finais da NBA em 1957, 1960 e 1961. Os Hawks jogaram contra os Celtics em todas as quatro aparições nas finais da NBA. A equipe do St. Louis Hawks se mudou para Atlanta em 1968, quando Kerner vendeu a franquia para Thomas Cousins ​​e o ex-governador da Geórgia, Carl Sanders.

Os Hawks atualmente possuem a segunda maior seca (atrás dos Sacramento Kings) de não ganhar um campeonato na NBA há 57 temporadas. O campeonato solitário na NBA da franquia, bem como as quatro aparições nas finais da NBA, ocorreram quando a equipe estava com sede em St. Louis. Grande parte do fracasso que experimentaram na pós-temporada pode ser atribuida a sua fraca história no NBA Draft.

Desde 1980, os Hawks escolheram apenas quatro jogadores que foram escolhidos para jogar em um All-Star Game da NBA (Doc Rivers, Kevin Willis, Al Horford e Jeff Teague). Dominique Wilkins foi selecionado pela equipe do Utah Jazz e negociado com os Hawks alguns meses após o Draft. Horford e Teague foram os únicos Hawks All-Star a serem escolhidos desde que Willis foi selecionado em 1984.

Hoje o Atlanta Hawks é a vigésima terceira equipe mais valiosa da NBA segundo a Forbes, com um valor estimado de U$855 milhões.

Desempenho na Temporada 2016-17 (43-39)

A temporada da franquia da Geórgia pareceu, na maior parte da última temporada indefinida e sem pretensões, oscilando entre ser uma equipe competitiva ou reconstruir seu elenco. Os Hawks flertaram com uma reconstrução de elenco ao longo da temporada, mas, por vários motivos, nunca chegaram a se posicionarem por completo. Reconhecer o fim da história da base de 2015, que venceu 60 partidas e chegou às finais da Conferência Leste, foi difícil.

Embora a temporada tenha oscilado demais, a equipe dos Atlanta Hawks mostrou melhoras diante de um problema antigo, os rebotes. A equipe da Geórgia se manteve regular na defesa, ficando em sétimo lugar como uma das defesas mais eficientes da NBA pelo terceiro ano consecutivo. Cedeu 103.1 pontos por 100 posses de bola, quarta melhor marca da temporada.

Os Hawks ainda se mostraram competitivos e se classificaram com a sétima equipe com o melhor aproveitamento (59.1%).

Dennis Schröder não foi o jogador que todos esperavam, porém, seu jogo cresceu bastante em seu primeiro ano como titular da equipe. Em várias partidas, ele demonstrou uma postura e atitude que se espera de um franchise player.

Dwight Howard impulsionou uma melhora nos rebotes e teve algumas boas atuações. Ele não foi um desastre total, mas passou longe de ser a grande aposta que a equipe do Atlanta esperava na offseason e acabou a pós-temporada no banco.

Outra decepção da equipe foi Kent Bazemore que se revelou um dos piores investimentos do Atlanta na offseason. Que com status de estrela no primeiro semestre de 2016, ele passou a jogador comum na maior parte da temporada passada.

Um ponto positivo para a equipe do Atlanta Hawks na temporada foi o novato, Taurean Prince. Quando teve chance demonstrou em quadra versatilidade para se encaixar no esquema de Mike Budenholzer, técnico do Hawks.

Elenco

A franquia finalmente, tomou uma decisão e começou um processo de reconstrução de elenco que já ensaiava há algum tempo, mas nunca teve efetiva coragem de assumir. Como uma equipe mais interessada em uma boa escolha no NBA Draft do ano que vem, a equipe da Georgia protegeu Dennis Schröder, sua “grande aposta” para a nova base com uma série de jogadores jovens e veteranos coadjuvantes.

Schröder representará, o primeiro passo de uma nova Era dos Hawks. Após dois anos de indecisão, esse era o único passo lógico e possível para um novo futuro da franquia.

Os Atlanta Hawks sequer tentaram a renovar o contrato com o seu franchise player Paul Millsap e abriu mão sobre a proposta realizado pelos New York Knicks por Tim Hardaway Jr.

No entanto há algo interessante na elaboração desse novo elenco, a maioria dos contratados são jogadores limitados, mas bons arremessadores. Essa reconstrução mostra uma das características marcantes das equipes de Mike Budenholzer nas últimas temporadas e mostra que Schroder vai ser colocado em condições ideais para, passar a dominar as partidas na ofensiva que com sua explosão e velocidade tendem a ser pontos muito favoráveis. Isso indica que a equipe do Hawks quer acelerar o processo de evolução de sua maior aposta.

Schröder chega embalado pela sua participação na Eurobasket 2017. E vale ficar de olho na defesa dessa equipe, marca que sempre foi um dos pontos fortes nas equipes montadas por Budenholzer.

Se vai dar certo? É provável que, os Hawks tenham grandes chances de terminar a temporada com uma das piores, se não, a pior campanha da liga na temporada. Porém, por outro lado será o batismo de fogo para Schröder e o primeiro passo de um novo Hawks.

Equipe 2017-18: Dennis Schröder; Malcom Delaney; Tyler Dorsey; Quinn Cook; Marco Belinelli; Kent Bazemore; Nicolas Brussino; Taurean Prince; DeAndre Bembry; John Collins; Ersan Ilyasova; Luke Babbitt; Tyler Cavanaugh; Jeremy Evans; Mike Muscala; Mile Plumlee e Dewayne Dedmon.

Jogador Chave

Dennis Schröder é amplamente visto como o melhor jogador do elenco dos Atlanta Hawks. Schröder foi o único membro dos Hawks a fazer parte do top 100 da Sport Illustrade, ele aparece como o número 76.

É razoável perguntar, no entanto, quanto mais Schröder (17,9 ppg, 3,1 rpg, 6,3 apg) pode oferecer?

Schröder é um playmaker razoavelmente eficaz que tende a irritar seus companheiros de equipe quando ele escolhe passar e quando ele não faz.

Ele simplesmente não é um playmaker natural. Passar é uma parte de seu jogo nascido da expectativa e não do instinto. Outros jogadores forjaram boas carreiras jogando dessa forma, embora ele tenha a habilidade de realmente conduzir uma ofensiva com as suas jogadas.

Segundo Rob Mahoney da SI, Schröder foi capaz de conquistar uma transição de um papel como reserva em titular “sem perder o ritmo” e isso é encorajador. Ao mesmo tempo, as preocupações com suas jogadas teatrais são reais e essa é uma área de desenvolvimento que será muito interessante para monitorar durante essa temporada, especialmente com um presumivelmente espaço maior para operar.

Análise

Os Hawks não são vistos como uma possível equipe de playoffs em 2017-2018 e, está seria a primeira vez em uma década completa que a organização não estará participando da pós-temporada.

As bolsas de Las Vegas oferecem pelos Hawks a chances de 14 para 1 para fazer a pós-temporada e, com esse pano de fundo, Matt Moore da CBS Sports analisou que a probabilidade do Atlanta é quase impossível.

A equipe dos Hawks estão reconstruindo. Mesmo que o front office pareça relutante em usar essa palavra em particular, a equipe destruiu o elenco de uma equipe vinculada aos playoffs há um ano, e por uma década, a favor de uma perspectiva de longo prazo criada em torno de novos ativos, flexibilidade e uma série de opções do draft.

Os Hawks enfrentam indiscutivelmente a reconstrução mais desafiadora da liga. A coisa mais próxima que eles têm de um franchise player é Dennis Schröder. Eles têm algumas escolhas nos draft que se aproximam, e sua escolha de 2018 deve ser uma escolha da loteria, mas serão anos antes que os Hawks sejam uma equipe de playoffs relevante mais uma vez.

Retornamos à questão da Conferência Leste. Os Hawks ainda têm os restos de uma equipe que obteve 43 vitórias. Eles têm alguns jovens talentos surpreendentemente bom e adicionaram alguns veteranos na free agency. Os Hawks não serão bons e a oitava vaga na Conferência Leste também não será boa para eles.

Kevin Pelton da ESPN está fora do que ele chama de “um olhar esperançoso nas projeções da NBA para 2017-18 ” e acredita que os Hawks vão passear pelo deserto, a equipe que ganhou 43 partidas na temporada  passada deve descer ladeira abaixo e vir no modulo “tank”, a projeção ficou em uma média de 27 vitórias. Nós, achamos que a desgraça pode chegar a uma média de 20 vitórias.

 

%d blogueiros gostam disto: