ANALISANDO OS PLAYOFFS – CONFERÊNCIA LESTE – CLEVELAND CAVALIERS (2º) X INDIANA PACERS (7º)

O Timeout Brasil inicia sua análise sobre os duelos que comporão a pós-temporada da NBA, já a partir deste sábado (15). Segue nosso preview sobre o duelo entre o forte e experiente Cleveland Cavaliers contra o inconsistente Indiana Pacers, válido pelo lado leste do mapa norte-americano:

Campanhas: Cavaliers (51-31) x (42-40) Pacers

Confrontos da temporada regular (mandantes aparecem primeiro):

16/11 – Pacers 103×93 Cavaliers

08/02 – Pacers 117×132 Cavaliers

15/02 – Cavaliers 113×104 Pacers

02/04 – Cavaliers 135×130 (OT 2) Pacers

Agenda (lembrando que os jogos 5, 6 e 7 só ocorrerão se houver necessidade):

Jogo 1: 15/04 (sábado) – Quicken Loans Arena, às 16h (Sportv)

Jogo 2: 17/04 (segunda-feira) – Quicken Loans Arena, às 20h (ESPN)

Jogo 3: 20/04 (quinta-feira) – Bankers Life Fieldhouse, às 20h (ESPN)

Jogo 4: 23/04 (domingo) – Bankers Life Fieldhouse, às 14h (ESPN)

Jogo 5: 25/04 (terça-feira) – Quicken Loans Arena (horário a confirmar)

Jogo 6: 27/04 (quinta-feira) – Bankers Life Fieldhouse (horário a confirmar)

Jogo 7: 29/04 (sábado) – Quicken Loans Arena (horário a confirmar)

Jogador que pode desequilibrar pelos Cavaliers:

LeBron James: “The King” conhece os playoffs melhor que ninguém na liga atualmente, e seu poder de decisão (ou uma eventual falta dele) determinará o desempenho dos Cavaliers nesta reta final da competição. O ala não só será responsável por comandar a equipe em quadra, mas também lidar com o astro da franquia adversária: Paul George. Outros: Kyrie Irving é extremamente habilidoso, e sua facilidade em pontuar dará muito trabalho à defesa adversária. JR Smith e Kyle Korver (este último vindo do banco) tiveram bom aproveitamentos na linha de três contra os Pacers nesta temporada. Kevin Love também auxilia muito sua equipe com os arremessos de três. Tristan Thompson não é um pivô pontuador, porém é “reboteiro”, é enfrentará uma das piores equipes da temporada neste quesito. Deron Williams também será útil pontuando e dando assistências com os reservas.

Jogador que pode desequilibrar pelos Pacers:

Paul George: Principal jogador da equipe de Indianápolis, o ala do time é a principal esperança para superar seu complicado adversário. O camisa 13 terá uma difícil tarefa: além de pontuar e liderar os jogadores, terá de marcar LeBron James. Ambas as funções exigirão muito de Paul George em questões físicas. Outros: Jeff Teague costuma melhorar suas médias nos playoffs, e isso se repetir em sua nova casa será extremamente útil com seus pontos e assistências. Monta Ellis precisará melhorar a marcação apresentada até então e ficar mais atento quanto aos turnovers. Thaddeus Young e Myles Turner necessitam retomar suas boas atuações e também proteger melhor o garrafão no quesito de rebotes. CJ Miles é o “sexto homem” da equipe e é importante com suas bolas de três. Lance Stephenson sem dúvida alguma dá muita energia ao time, além de passes e pontos. Lavoy Allen, mesmo sem muita técnica, contribui com rebotes. A ausência de Glenn Robinson III faz com que os Pacers percam em defesa e também em pontos (o jogador apresenta mais confiança desde que venceu o Torneio de Enterradas desta temporada).

Técnicos:

Tyronn Lue x Nate McMillan

Um ranking divulgado pela ESPN norte-americana, em março, apontou Tyronn Lue com o 10º melhor técnico da NBA (com nota 7,02), enquanto Nate McMillan ocupa a 26º colocação do ranking (com nota 4,71).

Lue continua com a base do time campeão NBA, embora criticado pela queda de rendimento da equipe no final da temporada regular. Outra crítica ao trabalho do técnico é uma suposta “falta de pulso”. Muito se especula na mídia especializada que LeBron James na verdade seria o responsável por armar o time e definir as jogadas.

Nate, por outro lado, foi responsável por formular os Pacers com os reforços obtidos na pré-temporada. O resultado não é o esperado, não conseguindo, ao final de 82 jogos, achar a “química do time”, quinteto titular ideal ou padrão de jogo, sem contar com a falha ao armar jogadas em momentos decisivos. A defesa também é outro ponto questionado, já que Nate foi auxiliar do técnico Frank Vogel, considerado muito eficiente neste quesito.

Raio-x dos quintetos iniciais:

Armador: Kyrie Irving x Jeff Teague – vantagem Cavaliers

Ala-Armador: JR Smith x Monta Ellis – vantagem Cavaliers

Ala: LeBron James x Paul George – vantagem Cavaliers

Ala-pivô: Kevin Love x Thaddeus Young – vantagem Cavaliers

Pivô: Tristan Thompson x Myles Turner – empate

Análise pessoal do confronto: Os jogadores dos Pacers são bons, mas não estão no mesmo nível do outro time. Provavelmente o maior atrativo da série será o duelo entre LeBron James e Paul George. Ambos jogam em altíssimo nível e na mesma posição, e na última vez que se encontraram o saldo foi de 84 pontos somados. A série envolve duas equipes em patamares diferentes. Os Cavaliers, atuais campeões históricos da NBA, chegam aos playoffs com queda de rendimento nas últimas 20 partidas, aproximadamente. Entretanto, os jogadores não só atuam em alto nível, mas possuem ao seu lado uma “arma” invejável: LeBron James. “The King” conhece os playoffs melhor que ninguém na liga atualmente, e seu poder de decisão (ou uma eventual falta dele) determinará o desempenho dos Cavaliers nesta reta final da competição. Do outro lado, aparecem os Pacers, uma equipe com um elenco “interessante”, porém inconsistente (como foi dito acima). O time é uma verdadeira incógnita, tendo deixado vitórias consideradas fáceis escaparem em casa (contra o Minnesota Timberwolves, por exemplo), ou jogando muito bem contra adversários difíceis fora de seus domínios (o último duelo diante dos Cavaliers teve duas prorrogações, mas os donos da casa levaram a melhor).

Palpite: No entendimento desse que vos escreve, esta será uma série que não passará de seis jogos. Os Cavaliers são superiores a seu adversário, e, se jogarem com todo o potencial que possuem, têm a possibilidade de liquidar o confronto até mesmo em quatro partidas. A chance dos Pacers é pequena, e eliminar o adversário logo na primeira rodada, além de histórico, deixaria o time com muita moral diante das outras equipes. Uma fato curioso é que LeBron James nunca deixou os playoffs na primeira série.

%d blogueiros gostam disto: