O “bom filho” à casa torna

Lance Stephenson retorna ao Indiana Pacers. O anúncio oficial foi feito nesta quinta-feira (30), porém a informação já havia sido divulgada pela mídia nesta quarta-feira (29). A imprensa norte-americana afirma que o vínculo será válido por três temporadas, sendo a última por opção do time, e valerá 12 milhões de dólares (pouco mais de R$37 milhões) ao todo. O ala-armador vestirá a camisa 6, diferente da primeira passagem, quando usava a 1 (esta pertence a Kevin Seraphin atualmente), e espera-se que ele esteja disponível para a partida contra o Cleveland Cavaliers, neste domingo (02), às 19h.

A contratação do jogador só foi possível após os Pacers abrirem espaço em seu elenco. Em nota oficial, o ala-armador Rodney Stuckey foi dispensado ontem. “Gostaríamos de agradecer  a Rodney por seu comprometimento com nossa franquia em seus três anos com os Pacers. Ele era uma influência positiva não só para o nosso time, mas também na comunidade. Desejamos para ele nada além do melhor em seu futuro”, declarou o presidente de operações de basquete da franquia, Larry Bird.

Um dos motivos para demitir Stuckey é a série de lesões que o atleta sofre, inclusive a última foi ocasionada na vitória sobre o Philadelphia 76ers, neste domingo (26). Uma torção no tendão patelar esquerdo o deixará afastado de quatro a seis semanas. O jogador obteve médias de 7.2 pontos, 2.2 rebotes e 2.2 assistências por jogo nesta temporada, disputando 39. Desde que chegou aos Pacers, Stuckey atuou em 168 confrontos, totalizando médias de 10.1 pontos, 2.5 rebotes e 2.6 assistências.

Stephenson viveu anos conturbados desde que se transferiu para o Charlotte Hornets, em 2014. Além de ser constantemente atrapalhado por lesões, o ala-armador não conseguiu repetir as boas atuações da época dos Pacers. Este cenário se prolongou até o momento, fazendo com que o jogador passasse por Los Angeles Clippers, Memphis Grizzlies, New Orleans Pelicans por último Minnesota Timberwolves antes de retornar a Indianápolis. 

A saída de Stephenson ainda é algo que o torcedor dos Pacers não esqueceu. O jogador era importantíssimo no elenco do técnico Frank Vogel, este que duelou contra o Miami Heat (aquele de LeBron, Wade, Bosh…) em duas finais seguidas da Conferência Leste. O atleta não tem como característica ser pontuador, mas ele contribuía com rebotes e também mostrando sempre muita vontade e determinação em quadra. O ala-armador fez muita falta para os Pacers na temporada 2014/2015, pois neste período o astro da equipe, Paul George, se recuperava de uma grave lesão na perna.

Evidentemente que o torcedor tem todo o direito de guardar um sentimento de “raiva” ou “remorso” por Stephenson. O jogador “deixou o time na mão”. Entretanto, o atual momento dos Pacers exige atenção. A franquia ocupa a última posição da zona dos playoffs, e, além ter perdido os últimos quatros jogos, tem pela frente uma sequência de adversários difíceis (Raptors fora, Cavaliers fora e Raptors em casa). Os jogadores mostram-se apáticos em quadra, assim como o técnico Nate McMillan. Por isso, a energia e força de vontade de Stephenson seriam muito úteis não só para “animar” o elenco, mas também para “incendiar” a torcida.

Stephenson errou ao deixar os Pacers. Sua decisão quase arruinou sua carreira na NBA. Agora, aos 26 anos, o jogador retorna ao time que o draftou com a oportunidade de se reerguer e ajudar a equipe. Os dois lados necessitam um do outro. Somente o tempo dirá se esta nova chance foi uma decisão correta.

%d blogueiros gostam disto: