ESPYs Award 2016 e a nova era de ouro da NBA

Como já era de se esperar, depois de uma emocionante temporada com direito à quebra de recordes históricos e à uma história de superação no estilo Davi e Golias nas finais, a NBA, o campeão Cleveland Cavaliers e seu “rei” dominaram a premiação do ESPYs Awards 2016, uma espécie de “Oscar do esporte” promovido pela emissora norte-americana ESPN nesta última quarta-feira (14\07).

b1dc4739-770e-4681-81cf-65745d0a7534Os vencedores são escolhidos partes através de votação aberta online e parte por votação de um comitê formado por jornalistas, atletas, técnicos e outras pessoas envolvidas diretamente com esportes.

Nesta edição da premiação foi marcada por homenagens relacionadas à diversos fatos emotivos que foram destaque no ano esportivo norte-american. Foram homenageados três grandes atletas que encerraram suas carreiras este ano, Kobe Bryant da NBA (com gritos da platéia de “Kobe, Kobe, Kobe”), Peyton Manning da NFL e Abby Wambach, jogadora de futebol feminino.

With Muhammad Ali pictured on screen, Andra Day performs an In Memoriam tribute at the ESPY Awards at the Microsoft Theater on Wednesday, July 13, 2016, in Los Angeles. (Photo by Chris Pizzello/Invision/AP)

Mais emocionantes ainda foram as homenagens ao ídolo universal do esporte falecido este ano, Muhammad Ali, feita por outra lenda do esporte e da NBA, Kareem Abdul-Jabbar, e ao carismático jornalista Craig Sager, que após vencer uma batalha contra o câncer foi convidado para cobrir às finais da NBA pela primeira vez em sua longa carreira pela ESPN, apesar de ser jornalista contratado por outra emissora, a TNT.

Faltou menção à outra lenda da NBA, Tim Duncan, mas que havia anunciado a aposentadoria apenas dois dias antes da premiação e, portanto, não houve tempo hábil para prepará-la – e pensando bem, essa aposentadoria “de fininho”, longe dos holofotes, combina mais com a personalidade de Timmy.

O destaque da premiação em si foi a dominação do basquete, que levou 8 dos 12 principais prêmios da noite (contando a atleta de basquete universitário vencedora de melhor atleta feminina). Como já se podia esperar depois de uma incrível história de superação, virando pela primeira vez na história uma série que estava sendo perdida por 3 jogos a 1, contra a equipe que havia batido o recorde de melhor campanha na temporada regular da NBA, o Cleveland Cavaliers foi escolhido como a principal equipe esportiva do ano, vencendo a disputa com times campeões de outros esportes profissionais e universitários nos Estados Unidos.

A comemoração da cidade de Cleveland superando um jejum de 52 anos sem títulos nos esportes profissionais norte-americanos ficou também com o prêmio de “momento do ano”.

O principal astro da equipe, Lebron James, também venceu a disputa de “melhor atleta masculino do ano”, superando, dentre outros, seu adversário nas finais Stephen Curry, recebendo o prêmio das mãos de seu amigo e ex-companheiro de Miami Heat, e agora novo jogador do Chicago Bulls, Dwyane Wade.

O “King” também ficou com o prêmio de “melhor performance em uma final”, o técnico dos Cavs, Tyronn Lue foi eleito o “melhor técnico do ano” e a disputa épica entre Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors no jogo 7 foi escolhida como principal jogo do ano.

10980620_GComo consolação após ver seus algozes nas finais levarem a maior parte dos prêmios em disputa, Curry venceu o prêmio de “melhor performance quebrando recorde” pelo maior número de bolas de 3 em uma temporada na NBA.

O basquete também ficou com o prêmio de melhor atleta feminina do ano, que foi para a jogadora da equipe universitária da universidade de Connecticut, Breanna Stewart.

O destaque para o basquete, e especialmente para a NBA, indica que estamos vivenciando uma nova “era de ouro” no esporte, que não se via desde a geração de Michael Jordan nos anos 1990. Fatos como o novo estilo de jogo que levou o Golden State Warriors à quebra do recorde de melhor campanha histórica na temporada regular da NBA e que, com base no no small ball e na linha de passe que promove um altíssimo nível de aproveitamento de bolas de 3, está revolucionando as táticas tradicionais do basquete, e a incrível narrativa de superação de uma das equipes mais “azaradas” da liga lideradas por um dos jogadores mais talentosos da história do esporte dominaram os noticiários esportivos não apenas nos EUA mas em boa parte do mundo, que está cada vez mais ligado aos jogos e à movimentação midiática provocada pela NBA.

Mesmo na offseason a liga continua atraindo a atenção de amantes de esportes ao redor do mundo, e novas narrativas estão se delineando, como a “formação de um super time ainda melhor com a chegada de Durant ao Warriors”, “será que o novo time estrelado dos Knicks com Brandon Jennings, Derrick Rose, Carmelo Anthony, Joakim Noah e Kristaps Porzingis conseguirá ressurgir na Conferência Leste”, que, entre outras, aumentam ainda mais as expectativas em torno da nova temporada da NBA. Entre aposentadorias de velhos astros e o surgimento de novos talentos a liga vai se renovando e muitas coisas levam a crer que a popularidade e a qualidade dos jogos continuem a crescer exponencialmente nos próximos anos e que, daqui algumas décadas, lembremos deste período como uma fase de ouro que transformou a maneira que o esporte era jogado e acompanhado pelos amantes de basquete.

%d blogueiros gostam disto: