Noite histórica para Spurs de Duncan e Blazers de Lillard

Damian Lillard teve a melhor noite de sua carreira em tripla prorrogação contra os Spurs.

Damian Lillard teve a melhor noite de sua carreira em tripla prorrogação contra os Spurs.

Na vitória do Portland Trail Blazers sobre o San Antonio Spurs por 129 a 119 em tripla prorrogação, tivemos duas performances individuais que ficarão na memória do fã de basquete:

Damian Lillard teve 43 pontos, a melhor marca de sua carreira, incluindo a cesta para empatar o jogo no último período do tempo regular com 1.4 segundo para jogar, e um toco em Danny Green na posse de bola seguinte para levar o jogo para a prorrogação.

Na primeira prorrogação, Lillard acertou uma cesta de três para empatar o jogo em 104 pontos, deixando 14 segundos para o Spurs, que não aproveitou sua chance. Ao todo,foram 16 pontos para Lillard no tempo extra, mais do que os Spurs anotaram nos dois primeiros OTs (15).

Tim Duncan teve sua melhor marca em pontos na temporada (32), mais 10 rebotes e 4 tocos (3 nas prorrogações) em pouco mais de 43 minutos. Duncan não jogava 43 minutos em dois jogos seguidos desde os playoffs da temporada de 2007-2008, nos dois últimos jogos das finais do Oeste contra o Los Angeles Lakers de Kobe e Shaq. Sua performance arrancou elogios do técnico Greg Popovich: “Timmy [Duncan] fez algo no estilo de ‘De Volta para o Futuro’. Ele foi incrível”.

Cada time jogou sem dois de seus titulares – foi o primeiro assim para Portland desde a temporada de 2012-2013 -, com destaque para Dorrell Wright, que não foi titular, mas jogou 33 minutos pelo Blazers na posição de Batum e acertou 4 arremessos de três que foram chave para que Portland se mantivesse vivo no jogo, todos entre o último período e as prorrogações.

O time de Portland se recuperou de uma diferença de seis pontos em cada uma das duas primeiras prorrogações para então empatar com pouco tempo restante – no último lance da primeira prorrogação, Ginobili forçou de média distância; na segunda, Matthews errou livre para três. Na terceira OT, Lillard levantou os Blazes rapidamente para uma vantagem de onze pontos com três minutos restantes, diante da qual Greg Popovich tirou de quadra seus jogadores titulares, visando a integridade física principalmente de Duncan e Ginobili.

Também notáveis foram as intervenções da arbitragem: na primeira prorrogação, uma cesta de três de Danny Green que aumentou a diferença de 6 pontos para 9 a favor de Spurs foi considerada pelos juízes como sendo após o estouro do shot-clock por décimos de segundo, e o mesmo aconteceu como um gancho de Tim Duncan na segunda prorrogação.

Tony Parker, que não jogou contra os Blazers por decisão do técnico, deve retornar em breve, assim como Nicolas Batum. Há, no entanto, a possibilidade de Kawhi Leonard passar mais tempo em recuperação, dado o diagnóstico de um ligamento rompido em sua mão direita.

Com a derrota, Spurs perdeu todos os jogos que foram para a prorrogação nessa temporada – ao todo, foram quatro jogos (três em casa), todos dentro de seus últimos dez. O time de San Antonio é o primeiro a jogar dois jogos seguidos de três prorrogações desde o finado Baltimore Bullets em 1951.

Esse jogo foi o primeiro do Blazers essa temporada a terminar empatado depois de quatro quartos. Apesar dos quinze minutos a mais de jogo, o time de Portland teve o seu primeiro jogo da temporada com menos de 20 assistências totais, certamente sentindo a ausência de Batum, que é um de apenas três alas na NBA com uma média de pelo menos cinco assistências por jogo, e o melhor em ATO (assistências divididas por turnovers), com 2,92.

%d blogueiros gostam disto: