Disputa local divide corações na LBF

Sport1

Quem acompanha o basquete feminino em Pernambuco se viu, nesse sábado (6), entre a cruz e a espada. A fortíssima torcida do Sport Club do Recife, alimentada em grande parte pela tradição futebolística do clube e o elenco de estrelas, testemunhou um massacre histórico. Por 92 x 26, a equipe estreante pernambucana América/Uninassau bateu as leoas, no jogo pela nova temporada da Liga de Basquete Feminino (LBF), dividindo torcedores e gerando uma rivalidade até então inédita no basquete local.

É importante deixar claro que a derrota humilhante do Sport tem explicação e contexto. O time rubro-negro, comandado até o início do ano pelo técnico Roberto Dornelas, sofreu um golpe brutal por parte da direção do clube, que, apesar de ter realizado grande investimento no elenco, garantindo ginásio lotado em todos os jogos, passou a virar as costas para o basquete. A equipe enfrentava dificuldades de toda ordem, desde infraestrutura até os custos com viagens. Dornelas chegou a revelar a um jornal do Recife que nem sequer o dinheiro dos ingressos dos jogos eram repassados para a melhoria da equipe. O desabafo na imprensa local, inclusive, custou o emprego do treinador.

America_Sport1

Oficialmente desligado do Sport, desde maio, Dornelas se uniu ao América Futebol Clube e à faculdade Maurício de Nassau, fundando o time América/Uninassau. Para isso, levou com ele o time de estrelas que deu os títulos de campeão e vice da últimas temporadas da LBF aos rubro-negros. As jogadoras da seleção brasileira Érika, Nádia e Adrianinha passaram a defender a camisa do “Mequinha”, sob a batuta do ex-técnico do Sport, ao lado das também ex-leoas Tiffany, Ingrid e Gattei.

A iniciativa do América/Uninassau inclui, também, a formação de atletas de base com o projeto “Cestinhas do Futuro”, que conta com a colaboração das jogadoras, e tem como objetivo implantar 18 escolinhas de basquete no estado, através das unidades do SESC, atendendo a mais de duas mil crianças até meados de 2016. Além disso, o “Mequinha” também tem apostado no trabalho de marketing para emplacar o time enquanto marca, levando a lojinha de uniformes de basquete ao ginásio para os torcedores. Coisa que o time rubro-negro nunca fez, ninguém entende o porquê, apesar do sucesso e da enorme demanda.

lojinha

Do outro lado, o Sport permaneceu com algumas atletas importantes, como Laís e Vivi, contratou novos nomes – incluindo algumas norte-americanas – e agora segue no comando do treinador Rildo Accioly, que já trabalha no clube há mais de 10 anos. Com menos recursos e sem os nomes famosos de sempre, a equipe rubro-negra agora luta para voltar a brilhar na quadra. Para a torcida do leão, as coisas ainda soam confusas. Inúmeras famílias e amigos se separaram, nos dois lados da arquibancada, dividindo-se entre os que “viraram a casaca” e os fiéis rubro-negros.

Com a vitória desse sábado, o América/Uninassau se consolida como líder isolado do campeonato, e enfrenta o Venceslau, no próximo dia 17 de dezembro. O Sport, por sua vez, segue em 5º lugar e encara o São José/Colinas, no dia 13.

%d blogueiros gostam disto: