Encontrando Talentos

Seria Manu Ginobili o maior Steal de todos os tempos?

Seria Manu Ginobili o maior Steal de todos os tempos?

Entre os milhares de torcedores que acompanham o basquete é extremamente comum fazer listas ou entrar em discussões do tipo “quem é melhor?” ou “tal jogador seria mediano em tal época” em exercícios de saudosismo e fanatismo. Fato é que essas discussões dificilmente se entra em uma conclusão ou se chega a um acordo, afinal ser melhor que outro vai do gosto de cada um. Acontece também que muitos jogadores são melhores em determinadas esferas do jogo que outros, mas os outros se destacam em outra , ficando difícil de comparar.

Mas deixando a introdução de lado, este post tem por objetivo fazer algo que já vi na imaginação de muitos basqueteiros por aí: fazer um time só de jogadores que foram escolhidos em segundas rodadas de Draft, aqueles jogadores que saíram barato, porém renderam muito, os famosos steals. Não chega a ser uma lista, mas não deixa de ser uma discussão.

Para definir uma direção, foram analisados os Drafts de 1999 até o de 2011, pegando jogadores mais consolidados. Além disso, será feito apenas com jogadores em atividade, usando do critério do qual como esse time renderia hoje, esquecendo o passado e analisando a produção atual de cada atleta. Além disso, será feito um elenco de 12 jogadores de acordo com o gosto deste que vos escreve. Pois bem, vamos a escalação.

Titulares: Goran Dragic, Monta Ellis, Chandler Parsons, Paul Millsap, Marc Gasol.

Seria ou não seria um timaço? Começando com uma armação de arremesso, infiltrações e visão de quadra em Goran Dragic. Seguida de um estilo agressivo, porém mais comedido de Monta Ellis, já que desde que Monta chegou em Dallas aprendeu a se controlar a mais, tornando-o muito mais eficiente. Junte isso a um jogadores com arremesso muito preciso e que ainda consegue criar para os companheiros, em Chandler Parsons. Temos ainda um Paul Millsap arremessando de fora, com muita agilidade e presença no ataque. E para fechar esse time altamente apelativo, temos um Defense Player of the Year que ainda quebra o galho no ataque passando bem a bola e arremessando de média de distância em Marc Gasol.

Mas eles sozinhos não fazem uma equipe, precisando ainda de um bom banco.

Reservas: Isaiah Thomas, Patty Mills, Manu Ginobili, Lance Stephenson, Kyle Korver, Marcin Gortat e Nikola Pekovic.

No banco, nenhum ala-pivô de ofício, mas isto é sanado se pensarmos que Parsons pode fazer a posição 4 jogando mais aberto, entrando em ação quando Millsap não estiver em quadra, ou mesmo usando Marc Gasol como ala-pivô, já que ele possui um jogo de média distância. Aí seria a hora de jogar ou com um protetor do aro do nível de Marcin Gortat ou com uma máquina ofensiva do nível de Nikola Pekovic, dependendo da situação de jogo. Temos ainda excelentes arremessadores em Patty Mills e Kyle Korver, para matar aquelas bolinhas que confundem a marcação do adversário. Ainda teríamos de opção dois excelentes ala-armadores que criam para os companheiros, com Lance Stephenson e Manu Ginobili, e que ainda defendem bem. Para fechar temos ainda um baixinho agressivo em Isaiah Thomas para botar fogo no jogo quando necessário.

E aí, gostou do time? Não deixe de comentar!

%d blogueiros gostam disto: